Pular para o conteúdo

Uma crise neurológica em um menino pequeno: Sam

Os gatilhos psíquicos na vida de uma criança são idênticos aos conflitos mais neuróticos de sua mãe.

Erik Erikson

Durante a análise de Sam, uma criança de 5 anos que sofria de ataques epiléticos desde os 3 anos, Erik Erikson observou que a recorrência dos ataques estava diretamente ligada a determinados estímulos que serviam como gatilhos psíquicos para a criança.

Os ataques epiléticos de Sam haviam começado um dia após a morte da avó paterna. Na ocasião, a avó estava visitando a família de Sam e dormindo no mesmo quarto que o garoto. A mãe de Sam, no entanto, achou que era melhor “poupar” o garoto da notícia da morte da avó, dizendo que ela havia ido embora para Seattle.

Assim que o caixão com o corpo da avó estava sendo retirado de casa, para justificar, a mãe disse que era apenas uma “caixa cheia de livros” que seria enviada para Seattle com as outras coisas da avó.

A partir daquele momento, Sam foi privado de seus processos investigativos comuns à sua idade e iniciou a construção de defesas neuróticas para compensar a ansiedade da ausência da avó. Perguntava para a mãe: “Mas por que a vovó foi embora sem dizer adeus?”.

Inconsolável, somatizou os terrores subjetivos da retaliação de algo que julgara ter feito de ruim. Achava que a avó tinha “ido embora” por sua causa e esperava uma reação primitiva na mesma proporção: a morte.

Um dia, viu uma toupeira morta no quintal e teve um ataque epilético seguido de um rápido desmaio. Os ataques se repetiam sempre que algum senso de violência se manifestava em seus sentidos. Esperava constantemente o terror da retaliação, comum a todas as espécies.

Os conflitos neuróticos da mãe, manifestos como uma formação reativa, haviam transformado Sam em uma criança epiléptica. Neste ponto, é importante compreender que “mãe” é apenas um papel social não relacionado a nenhum sexo biológico.

Durante o tratamento, conforme Sam percebia as restrições neuróticas impostas pela própria mãe, tornava-se capaz de ressignificar seus terrores, cessando por completo os ataques epiléticos.

O caso é analisado no livro “Infância e Sociedade” de 1950.

5 comentários em “Uma crise neurológica em um menino pequeno: Sam”

  1. Fantástico a medida que se investiga , se descobre a força desse link entre a morte da avó e a doença. E como esse construto perde a força ao ser reseguinificado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

plugins premium WordPress
× Fale conosco